Maxihost atinge Certificação ISO 27001

1* K6dv4Z6C8OXQEQj92NEyQ

Proteger seus dados é uma de nossas maiores prioridades. Hoje, como parte desse esforço, estamos felizes em anunciar que a Maxihost obteve certificação ISO 27001.

O ISO 27001 é reconhecido como o principal padrão de segurança da informação em todo o mundo. Estamos entusiasmados em compartilhar essa certificação com todos os clientes da Maxihost.

Ao cumprir os requisitos rigorosos da Organização Internacional de Padronização (ISO), mostramos nosso compromisso em usar as melhores práticas para gerenciamento de segurança da informação.

A série 27000 refere-se à família de padrões ISO que trata da segurança da informação. O ISO/IEC 27001:2013 especifica os requisitos para estabelecer, implementar, manter e melhorar continuamente um sistema de gerenciamento de segurança da informação dentro da organização. Também inclui requisitos para a avaliação e tratamento de riscos de segurança da informação.

A obtenção da certificação ISO 27001 significa que demonstramos nossa promessa de melhorar continuamente a segurança de seus dados sob o padrão ISO/IEC 27001:2013, mostra a experiência da Maxihost em gerenciamento de segurança da informação e a dedicação da empresa em manter os melhores níveis de segurança.

Os regulamentos e normas de proteção de privacidade e dados são diferentes ao redor do mundo, e estamos confiantes de que esta certificação ajudará nossos clientes a atender às suas necessidades de compliance.

A Maxihost está comprometida em constantemente melhorar progressivamente seus padrões de segurança da informação. Nosso objetivo é proteger os dados de nossos parceiros, clientes e funcionários de ameaças em constante evolução.

Você pode ver nosso certificado ISO 27001 aqui.

Preços simplificados para Proteção DDoS

Ao implantar um servidor, segurança é sempre uma grande preocupação. A Internet está cheia de códigos maliciosos que examinam vulnerabilidades e portas abertas.

Na Maxihost, estamos constantemente trabalhando para tornar a parceria com nossos clientes mais fácil e transparente. Por isso, decidimos simplificar a forma como vendemos o nosso serviço de proteção DDoS. Nós mudamos de um modelo que não era muito claro para a maioria dos clientes, variando de R$390 a milhares de reais para um modelo de preço muito mais simples e direto: R$500 por servidor.

O novo preço já está disponível para novos clientes aqui e, se você já usa nossa Proteção DDoS e quer mudar para o novo modelo, basta solicitar a alteração em [email protected] e o colocamos no novo plano.

Interessado em proteger seus servidores contra ataques DDoS? Entre em contato e veja como podemos ajudar.

Introducing Bare Metal Power Management

We’re excited to announce that we’ve added Power Management to Bare Metal servers.

Power Management allows you to reboot and turn the server on and off right from the Control Panel. You don’t have to open tickets with our team or access the iLO or iDRAC anymore.

Bare Metal Power Management

This feature is enabled by default for all new customers starting today. Existing customers can request that the feature is enabled on a per server basis from the server page.

The cloud vendor lock in dilemma

1

The more use an organization makes of a particular vendor’s products or services, the more dependent it becomes upon them, and, in turn, the more difficult it becomes to change providers.

So it’s extremely important for customers to understand what the exit looks like, even if it’s unlikely they will exit in the near future.

Picture this not so uncommon situation. You’re building a cloud-aware application, using proprietary cloud APIs to control the infrastructure, provision and deprovision resources dynamically and send data back and forth between your application and your cloud provider.

Your application gets large and complex, and for whatever reason—costs, lack of features, reliability, scalability, etc—you decide to look for an alternative vendor.

You call a meeting to get opinions as to where you should be moving your workloads to, only to find out that switching requires you not only to change the API calls but to re-think and re-architect your application.

The problem is that an API is an abstraction of the underlying technology and the technology choices of the vendor. So using an API often dictates using an architecture style and designing an application around a specific implementation. That’s the lock-in.

Your engineering team is extremely busy, with no shortage of important projects to get to, and you know refactoring would be incredibly expensive and impractical, so you’re faced with the dilemma of either staying with a provider that’s pushing you back or spending valuable resources on refactoring.

The solution

Customers need to understand the trade offs of vendor lock in and should always enter lock in scenarios with their eyes open to the potential threats that it can cause. Above all, customers should always have an exit strategy from lock in.

Think about using open APIs as an insurance policy for the future.